Material 17/09/18

Imprimir

DE JOSÉ PARA JÓ

No poema “José” de Carlos Drummond, temos uma síntese da desesperança causada pela perda e dor. “José” pode ser você ou eu, entremeados pelo sofrimento e desiludidos pela falta de oportunidades. As últimas palavras de Drummond nessa marcante peça são “Você marcha José, José para onde?” Ao contrário dessa conclusão melancólica, o livro de Jó aponta para algo transcendental em meio à dor. É-nos oferecida a possibilidade de dialogar com Deus e receber Dele um sentido construtivo e terapêutico, mesmo nas circunstâncias mais adversas da vida. No capítulo 42. 1-6, Jó reconhece quais as experiências e oportunidades que seu sofrimento lhe ofereceu à medida que ele buscou no Altíssimo respostas às suas indagações. No verso 2 ele reconhece Deus como soberano e determinado em Seus propósitos eternos. Enquanto somos submetidos à surpresa dos mais difíceis episódios e nossos planos parecem ser frustrados escapando por nossas mãos, o Senhor é inatingível e firme. Jó reconhece que essa deveria ser sua segurança mesmo nas adversidades mais extremas. Ele pondera também que suas dores lhe deram a oportunidade de mergulhar num relacionamento muito mais profundo com Deus: “…mas agora os meus olhos te viram” (verso 5). Quão maravilhoso é o descortinar do Ser de Deus diante de nossos olhos, “inda que seja a dor que me uma a Ti”. A percepção da soberania de Deus aliada a uma profunda experiência pessoal levou Jó ao quebrantamento. Você pode embrutecer com a dor: “Você é duro, José”! Entretanto, ao render-se nas mãos do Todo-Poderoso, seu coração poderá ser reconstruído e renovado no arrependimento e confissão. Ao continuar a ler esse maravilhoso capítulo bíblico, você verá como os dias de Jó foram renovados e como o sofrimento deu lugar a um novo tempo. As circunstâncias mais difíceis podem ser superadas e dias de consolo poderão ser experimentados. Mas esses sempre serão apenas uma lembrança da inefável promessa que ainda nos aguarda: “E Ele enxugará dos seus olhos toda lágrima” (Ap 21.4ª).

Jean Chagas

Imprimir

Estudo Dirigido para Candeias
E Agora, José? (Parte 2)

Texto Base: Jó 42.1-6

Em nosso encontro anterior, vimos que à luz do poema de Carlos Drummond que todos nós já tivemos aquele momento “E agora, José?”, também conhecemos um pouco mais sobre a história de Jó, um homem justo que passou por grandes sofrimentos. Hoje iremos pensar nas respostas que o coração de Jó encontrou diante do sofrimento. Reflitamos:

1. Depois de ouvir a resposta de Deus, Jó então diz a Deus o que seu coração compreendeu de tudo aquilo que estava vivendo. No verso 2, ele reconhece que Deus pode todas as coisas e que nenhum de seus planos pode ser frustrado. Como você entende isso à luz de seu próprio sofrimento? Como isso responde ao seu próprio coração?
2. Nos versos 3 e 4, Jó reconhece que havia questionado Deus em questões que eram grandes demais para ele. Você consegue perceber que existe algo maior, algo transcendente, que está acima das circunstâncias boas ou ruins que possamos viver?
3. As circunstâncias dramáticas e difíceis pelas quais Jó passou o levaram a ter uma experiência muito profunda com Deus. Ele diz: “Agora meus olhos te veem!”. Isso está no verso de nº5. Você tem experimentado crescimento mesmo diante do sofrimento?
4. Todos nós podemos ter apenas uma mera experiência religiosa com Deus, mas à medida que o conhecemos profundamente os nossos olhos se abrem para a Sua glória. Como isso se expressa em sua experiência?
5. Jô respondeu com arrependimento e fé diante da experiência que viveu. Como o arrependimento e fé podem nos ajudar a vencer o sofrimento?
6. Deus concedeu a Jó dias melhores, mudou sua história. O que gostaria que Deus fizesse por você, nesse momento da sua caminhada?

Vineyard – Sou Feliz                                    Letra             Cifra

Fernandinho – Grandes Coisas                    Letra          Cifra

Fernandinho – Rendido Estou                    Letra          Cifra